O sistema operacional Android, da Google, está surfando uma onda de popularidade que já ameaça o iOS, da Apple, e que no fim de 2010 deve superar o BlackBerry como a plataforma líder em smartphones nos EUA. Entretanto, apesar da relativa “abertura” e flexibilidade do sistema operacional, seu smartphone Android ainda não é tão poderoso e customizável quanto poderia ser. Para liberar todo o potencial de seu aparelho você precisa “conseguir root” nele.

O termo é derivado do Linux (no qual o Android é baseado) e outros sistemas operacionais UNIX anteriores a ele. Root é o nome do “superusuário”, o único com acesso total e irrestrito a todos os recursos do sistema operacional da máquina e aos dados nela armazenados. Conseguir root, portanto, significa ter controle completo sobre o Android, sem qualquer limite. O que pode ser bom, ou ruim.

AVISO: Conseguir root – ou seja, alterar as permissões de sistema para se tornar um “superusuário” – é uma técnica avançada que os inexperientes ou menos corajosos não devem tentar. Como diria o homem-aranha, “com grandes poderes, vêm grandes resposabilidades”, e você pode acabar destruindo seu smartphone. Não siga nenhuma das instruções nesse guia, nem de nenhum dos sites para os quais linkamos, se você não aceitar a possibilidade de transformar seu adorado celular em um tijolo muito caro. O processo aqui mencionado não é aprovado por nenhum fabricante ou operadora, e muito provavelmente irá anular a garantia de seu telefone. Da mesma forma, não nos responsabilizamos por eventuais danos ao seu aparelho decorrentes desse processo, nem oferecemos suporte para a solução de problemas. Entendido?

Porque Root?

Há vários bons motivos para conseguir root em seu smartphone Android. A mais simples é que isso possibilita o uso de alguns recursos muito legais que, na nossa opinião, deveriam oficialmente fazer parte do sistema, como a captura de tela, tethering (compartilhamento de 3G, mesmo em aparelhos cujas operadoras não permitem esse recurso) e mais.

Root também permite que você instale ROMs customizadas que eliminam muito do “lixo” que vem pré-instalado nos aparelhos. Além disso, estas ROMs podem lhe dar acesso a versões mais recentes do sistema operacional Android muito antes do programado pelas operadoras e fabricantes. Usuários do Motorola DROID, por exemplo (versão norte-americana do nosso MILESTONE) já tem acesso a ROMs com Android 2.2, e é possível instalar o Android 2.1 no Motorola CLIQ (DEXT por aqui), que oficialmente ainda está “preso” ao Android 1.5.

Aparelhos com root podem tirar proveito de coisas como overclock (aumento na velocidade do processador) e JIT (otimização na execução de aplicativos), que aumentam drasticamente o desempenho do sistema. É possível acessar estes recursos instalando uma ROM que tenha eles pré-ativados, ou baixando um aplicativo no Android Market que fará todos os ajustes necessários para você.

O acesso como “root” permite controle total sobre o sistema Android

Não dá para dizer que o root em um smartphone Android é algo “essencial” para todos os usuários. Na verdade, a maioria das pessoas não deve nem tentar isso, da mesma forma que a maioria dos usuários de PCs provavelmente não deve tentar fazer o overclock de seu processador. Mas se você é um usuário avançado (ou gosta de aventura) e conhece os riscos, o root pode ajudá-lo a se divertir e fazer ainda mais coisas com seu aparelho Android.

Seja Root!

(http://bit.ly/9kobti), para o Motorola Droid, Droid X e Milestone e HTC/Google Nexus One e

É importante notar que embora os aplicativos para root com um clique sejam fáceis de usar, não são isentos de problemas. Por exemplo, enquanto escrevíamos esta matéria o desenvolvedor do Unrevoked 3 estava trabalhando para resolver um problema de compatibilidade com o HTC EVO 4G.

E a versão mais recente do Android (2.2 ou “Froyo”) apresenta novos desafios para os usuários, à medida em que as operadoras e fabricantes continuam a pensar em formas de impedir a modificação dos aparelhos. Tais obstáculos são um fato da vida para qualquer um que tente conseguir root em seu dispositivo, assim como os usuários do iPhone precisam constantemente se adaptar aos esforços da Apple para impedir o “jailbreak”.

(em http://bit.ly/aiTxDD) que, infelizmente, envolve uma série de comandos em um terminal. Não é tão fácil quanto os aplicativos (e mais propenso a erros), mas pelo menos o resultado final é o mesmo.

O mundo das modificações do Android está em constante mudança: se seu aparelho não é coberto por nossas instruções, o melhor a fazer é procurar no Google pelo nome dele seguido da palavra “root”, ou ficar de olho em discussões em fóruns especializados como o alldroid.orgmodmymobile.com,androidz.com.br ou xda-developers.com.

1º Passo: Baixe o aplicativo certo.

Para começar, você precisa do aplicativo correto para seu aparelho. Se você tem um Droid, Milestone ou Droid X (todos da Motorola) ou Nexus One (da Google) vai usar o Easy Root. Usuários de modelos da HTC como o Aria, Desire, Droid Incredible, EVO 4G, Hero, Buzz e Wildfire vão precisar do Unrevoked. Não importa o aplicativo, o primeiro passo é baixá-lo do site do desenvolvedor e copiá-lo para o cartão SD de seu aparelho.

O Easy Root é distribuído na forma de um arquivo APK pronto para rodar. Basta copiá-lo para o cartão de memória e abrí-lo usando um gerenciador de arquivos como o Astro File Manager ou AndroZip. Já o Unrevoked vem como um arquivo compactado no formato .ZIP com vários outros arquivos dentro.

Se você tiver um dos gerenciadores de arquivos que mencionamos, pode descompactar o Unrevoked no próprio smartphone. Senão descompacte-o no PC e copie o conteúdo para o cartão de memória. Cada um dos arquivos do Unrevoked é específico para um aparelho. A documentação no site do Unrevoked diz qual deles usar de acordo com seu telefone.

2º Passo: Instale o aplicativo

Depois de copiar o arquivo APK do aplicativo para o cartão de memória do seu telefone, localize-o em um gerenciador de arquivos e toque nele para iniciar a instalação. Siga as instruções na tela, e depois que ela terminar um ícone para o aplicativo aparecerá na lista de programas de seu aparelho. Toque nele para abrir o aplicativo.

3º Passo: Root!

É a hora da verdade! Com o aplicativo para root instalado e aberto, inicie o processo clicando na opção correspondente (talvez você passe antes por uma tela de alerta explicando os perigos envolvidos). O aplicativo irá passar alguns segundos alterando permissões de sistema que possibilitam o acesso como superusuário e instalando uma nova “recovery image” (um utilitário para recuperação do sistema) na partição de sistema do aparelho. Então, surge uma tela dizendo que seu aparelho agora “tem root”.

Android Root Easyroot - 360px

Em muitos casos, todo o processo se resume a rodar um aplicativo

Em alguns casos o processo pode não funcionar, mesmo rodando o Easy Root ou Unrevoked em um aparelho suportado e seguindo todas as instruções à risca. Se isso acontecer com você, não se desanime: os desenvolvedores destes aplicativos respondem rapidamente a perguntas dos usuários e feedback, e se você tiver o cuidado de documentar tudo o que fez e os detalhes de seu aparelho, tem grandes chances de receber toda a ajuda de que precisa para conseguir root, ou ao menos dar ao desenvolvedor informações valiosas que ele poderá usar para atualizar o aplicativo e fazê-lo funcionar em smartphones como o seu.

Mas lembre-se: o root é um processo frágil para todos os envolvidos, e os desenvolvedores investiram muito esforço em projetos com muito pouca perspectiva de recompensa. Então seja gentil, mesmo se você estiver se sentindo frustrado.

4º Passo: Reinicie!

Reinicie seu smartphone para habilitar as novas permissões de root. Parabéns, agora o sistema está sob seu controle!

E agora?

Conseguir acesso como superusuário é o primeiro passo na exploração do vasto território de modificações para o Android. Dependendo do aplicativo que usou, você já pode estar aproveitando os benefícios de desempenho e usabilidade de uma série de melhorias implementadas na nova ROM do sistema. Mas há muito mais coisas a explorar.

Se seu smartphone não suporta o compartilhamento da conexão 3G (Tethering), você pode adicionar este recurso facilmente. O Barnacle é um aplicativo simples e gratuito que faz isto, com ou sem a aprovação de sua operadora. Com um clique você pode instantâneamente criar um “hotspot” Wi-Fi em seu bolso, compartilhando sua conexão 3G com qualquer outro smartphone, netbook, notebook ou console de videogame nas proximidades.

Android Root Barnacle - 360px

Com o Barnacle você pode compartilhar sua conexão 3G com outros gadgets

Quem tem root também pode fazer o “overclock” do processador do smartphone para um bom ganho de desempenho. A melhor opção é o SetCPU, que tem uma interface bastante amigável para definir a velocidade do processador. Mas cuidado: exagerar no overclock pode fazer seu aparelho se comportar de forma estranha, superaquecer ou até mesmo danificá-lo permanentemente.

Mas o hack supremo entre os usuários de Android é substituir o sistema operacional do aparelho por uma versão modificada, com o que é chamado de “Custom ROM”. Há muitas delas disponíveis, e cada uma tem seus prós e contras. Algumas são projetadas para smartphones específicos, e nem todos os aparelhos Android possibilitam a instalação de uma Custom ROM.

Android Root Rom Manager - 360px

ROM Manager facilita a instalação de versões modificadas do sistema operacional

No momento em que este artigo foi escrito, o Droid X era um aparelho particularmente problemático neste quesito. Em contrapartida, aparelhos como o Nexus One e o Droid Incredible tem várias opções. A melhor forma de encontrar, instalar e gerenciar ROMs é rodar o ROM Manager, disponível gratuitamente no Android Market. O ROM Manager Premium  até oferece uma grande lista de ROMs que você pode baixar usando o próprio aplicativo.

Divirta-se!

Agora você já tem uma boa noção de como lidar com um smartphone Android com root. Tentei cobrir o básico neste guia, mas não há falta de dicas, truques e conselhos na internet sobre como melhorar os recursos do Android. Se você tiver suas próprias dicas, deixe-as nos comentários. Até mais!