Um grupo de anunciantes se uniu para processar o Facebook sob a alegação de que a rede social teria os enganado a respeito dos resultados de anúncios feitos em vídeo. A reclamação, feita em 2016 e que agora chegou à esfera federal da Justiça dos Estados Unidos, afirma que a rede social teria inflado métricas a respeito do tempo de visualização desse tipo de anúncio, prejudicando a avaliação da efetividade dos anúncios por parte dos anunciantes.

Os reclamantes afirmam que o Facebook sabia do problema com as métricas há muito mais tempo do que alega, resultando em um impacto muito mais significativo do que o relatado. “As métricas de visualização média não foram infladas em apenas 60 a 80 porcento; elas foram infladas em algo entre 150 e 900 porcento”, alega o grupo de anunciantes.

Vale lembrar que o próprio Facebook anunciou, em 2016, ter descoberto um problema nas métricas de vídeos da plataforma. Naquele momento, a companhia anuncio que agiu rápido para corrigir o problema. Ao Wall Street Journal, a rede social apenas alega que “falsas” as alegações de que o problema seria maior do que o dimensionado à época.

Uma audiência está marcada para o dia 14 de dezembro na qual os dois lados se enfrentam nos tribunais para defender o seu ponto.