Após tirar de circulação 192 páginas acusadas de compartilhar notícias falsas, o Facebook anunciou nesta quarta-feira, 15, que removeu da sua plataforma uma rede de grupos, contas e páginas que espalhavam spam e que serviam para vender e comprar engajamento.

Segundo o Facebook, a rede era formada por 72 grupos, 50 contas e cinco páginas coordenadas por uma “entidade” chamada PCSD. Essa rede tinha como objetivo “encorajar e permitir a obtenção de seguidores e curtidas, e até a troca de páginas, com o objetivo de falsamente ampliar o engajamento em busca de ganho financeiro”.

A PCSD usou essa rede de grupos, contas e páginas para “comprar e vender reações, seguidores e páginas, violando repetidas vezes nossos Padrões da Comunidade”, informou o Facebook em nota. A mesma rede atuou também durante as últimas eleições no México.

Quem descobriu a existência da rede de spam foi o Digital Forensic Research Lab, do Atlantic Council, uma agência terceirizada do Facebook encarregada de, entre outras coisas, investigar denúncias de usuários de violações às regras de uso da rede social.

A “entidade” PCSD não é exatamente anônima na internet. A sigla significa “Pegar Comunidades Sem Donos”, em referência à finada rede social Orkut, em que era livremente permitido assumir a administração de uma comunidade que havia sido abandonada.

O PCSD é conhecido como um grupo para administradores de páginas. Há diversos vídeos e tutoriais dessa comunidade na internet ensinando a ganhar dinheiro vendendo e comprando curtidas, compartilhamentos e páginas com altos números de seguidores no Facebook. Alguns circulam pelo menos desde 2014.