Hoje em dia, nos smartphones, seja no Android, iOS ou o que for, a vida útil da bateria é um fator importante. Com tanta potência nos atuais processadores, em sua maioria quad cores, e a constante troca de dados realizada nos smartphones para conexões, a consumação é de muita força da bateria, deixando-a frequentemente com baixa durabilidade. Parece que uma nova técnica pode mudar isso.

De acordo com a SlashDot, um novo método utilizando silício pode triplicar a vida da bateria. Embora, claro, não entraremos em detalhes sobre bateria, sabemos que o silício tem sido um material de grande apoio para as baterias de lítio/íon.

Aparentemente, o a mistura com o silício é uma alternativa excelente, pois ele retarda a perda dos íons de lítio por até 10 vezes mais que o grafite, mas alguns imprevistos têm de serem analisados, como o fato do ciclo de vida da bateria não ser muito confiável (devido aos ânodos do silício). De acordo com o Engenheiro Sibani Lisa Biswal e o pesquisador Madhuri Thakur, se utilizarmos esponjas de silício e esmagá-las na hora de fazer a combinação, ou seja, aumentarmos a superfície sem aumentar tamanho, teremos uma produtividade 3 vezes maior da bateria, e amenizaria o problema dito acima.

Ou seja, as nossas baterias poderiam pular de 350 mAh (grafite) para 1000 mAh (medida válida por grama da bateria).

Claro que tudo está em fase de testes, mas seria ótimo se isso acontecesse logo, não? Seria uma inovação e tanto!