A Nokia como conhecemos está prestes a deixar de existir. A parte de dispositivos da empresa deve se unir à Microsoft em breve, firmando de uma vez por todas a união com o Windows Phone. Porém, um ex-funcionário da empresa decidiu fundar uma companhia para tomar o lugar da finlandesa. O nome dela, não muito criativo, é Newkia.

Com sede em Cingapura, a companhia deverá tentar reunir empregados que deixarem a Nokia na transição para a tutela da Microsoft, aproveitando o seu conhecimento do mercado para produzir smartphones.

Aqueles que sempre se perguntaram “Por que a Nokia não adota o Android?” poderão dar uma chance para os aparelhos da Newkia. Thomas Zilliacus, responsável pela fundação da nova empresa, coloca a culpa da má fase da Nokia, que culminou na venda para a Microsoft, na adoção cega ao Windows Phone. Por isso, sua intenção é que a Newkia utilize a plataforma do Google.

“Os consumidores não querem o Windows porque falta nele um ecossistema e não há aplicativos suficientes e serviços construídos para a plataforma que usuários acreditam ser cruciais”, ele afirma. “Além disso, ainda tem a imagem de que a Microsoft não é percebida como uma empresa ‘sexy’. Os desenvolvedores acham mais ‘legal’ desenvolver para Android e iOS”.

“Nós criamos a Newkia literalmente no dia em que a Nokia vendeu seu setor de telefones para a Microsoft. Foi o dia em que a Nokia morreu na Finlândia e a nova Nokia nasceu como Newkia. Conheço empregados interessados em desenvolver para o Android e que talvez gostaria de se unir a nós”, ele afirma

Zilliacus chegou a tentar comprar a Nokia antes da aquisição da Microsoft, justamente com o objetivo de tentar direcionar a estratégia da empresa para o Android. O negócio não deu certo porque ele não conseguiu levantar os fundos necessários.

Ele foi empregado da companhia finlandesa por 15 anos, incluindo sete como CEO na região da Ásia. Ele deixou a companhia em 1993, mas ainda permaneceu por mais três anos na folha de pagamento da empresa como consultor regional. Em seguida, criou a Mobile FutureWorks, empresa de investimentos que tem participação de Jorma Nieminen, ex-Nokia, e Sven-Christer Nilsson, ex- Ericsson.